Skip navigation

Category Archives: faíscas

escritos faíscas da Gisella Hiche minha companheira, descrição sensível das habitações em curso:

“Embalo os dias com Eliane Radique, Islas Resonantes, apresentada a mim pelos algoritmos do youtube, enquanto busco os sons/ambientes/ruídos próprios para trabalhar com texto, manter a concentração… mas são tempos intensos, muito acontecimento, informação, corpos e afetos, vidas que querem se encerrar e vidas em plena fertilidade exponencial- estamos instalados no meio disso, cuidando do fio ora fino, quase imperceptível e ora uma enxurrada na casa, na cidade, no mundo, atravessamos o oceano… estamos agora entre São Paulo e Madrid, com as paisagens marítimas e da mata atlântica instaladas, corpo índio, corpo caiçara, corpo quilombola, corpo urbano: respiramos na rua do crack, um buraco negro tão preciso em seu pedido de reparação, reparação de todo abuso repetitivo das colonizações, sobreposições, repulsa pela vida que não obedece às linhas inventadas no delírio identitário.

Os zumbis se arrastando ou gritando em louca incorporação pelas ruas são nossos aliados. O corpo paga um preço alto, mas não adere, não se submete. São arredios em sua descomunal força de não se dobrar. Inesperados pontos que se juntam: os craqueiros, os bebês, os pós-gêneros, os jovens negros, as mulheres… Uma língua política que não faz sentido e isso nos dói tanto pensar. Mas a vida não pensa e ela em nós sustenta tramas-nano extra-corpórea, caldeirão em meio ao fim do mundo, outros mundos.”

Como alguns emails trocados entre os professores da EFLCH/Unifesp acabam circulando para além das listas em que foram originalmente escritas, vou adotar a prática de publicizar algumas mensagens que escrevo em contextos de crise. Evidentemente, farei isso levando em conta a não exposição de terceiros que por ventura estavam envolvidos na conversação dentro da lista. A mensagem abaixo foi escrita no âmbito de uma discussão entre professores sobre a ocupação estudantil realizada no segundo semestre de 2017, durante os protestos contra a PEC241/PEC55.
——– Forwarded Message ——–

Subject: Re: [Docentes.EFLCH] detalhes do processo negociação c/ ocupação
Date: Thu, 1 Dec 2016 13:11:10 -0200
From: Henrique Parra
Car@s,

A comunicação pela internet costuma gerar muito ruído. São diversas as
cartas produzidas pelo Movimento de Ocupação, além de posts em
grupos/paginas do FB etc, gerando facilmente confusão nas
interpretações. O mesmo acontece com nossas mensagens em diferentes
canais. A conversa presencial é sempre melhor para minimizar mal
entendidos. Como sabem, o trabalho da escrita e interpretação textual é
uma tarefa infinita. Ainda assim, quero compartilhar mais um relato e
mais um ponto de vista.

Pelas mensagens enviadas pelos ocupantes entendo que o campus estará
reaberto a partir desta sexta-feira, e que nós professores poderemos nos
reunir com nossas turmas a partir de segunda-feira. A Congregação se
reunirá na segunda-feira de manhã para analisar a situação. Também foi
chamada uma reunião dos professores para esta sexta-feira (pelo chamado
entendo que não se trata de uma assembléia), efetivando a reabertura do
campus e também criando uma possibilidade de encontro presencial entre
nós. Este é o cenário que vejo para o curto prazo.

Neste semestre ministro a disciplina do estágio supervisionado III.
Muitos dos alunos estão com contratos firmados com museus, ONGS,
escolas. Em razão de demandas dos estudantes (devido a dinâmica do campo
do estágio) realizei ontem supervisão individual no CEU Pimentas,
utilizando o espaço da biblioteca. Um bom numero de estudantes
compareceu, conforme o agendamento que realizamos. Outros não puderam ou
não precisaram vir (e me enviarem suas justificativas).

Em um intervalo nas supervisões fui ao campus onde acontecia a reunião
da D.A., professores e os ocupantes. Não fiquei para a reunião, mas
queria ir lá para prestar solidariedade aos colegas professores que
tentavam duramente construir alternativas. Fiquei alguns minutos e logo
voltei ao CEU. Na saída encontrei com os estudantes que estavam chegando
de onibus naquele momento de Brasília. Conversei com eles e ouvi os
relatos sobre a experiência da manifestação e da violenta repressão
policial que sofreram por lá. Também manifestaram preocupação com a
busca por saídas para a ocupação.

Minha impressão da situação: os problemas do nosso campus refletem
claramente todas as dificuldades políticas que temos neste momento
histórico. Não há grupos/posições homogênas, planos de curto ou longo
prazo, nem canais institucionais com ampla capacidade de operação. As
pessoas (individualmente ou em seus pequenos coletivos) estão agindo de
maneira impulsiva e falta muita capacidade de diálogo e construção do
comum, mesmo entre aqueles que parecem compartilhar os mesmos valores e
princípios ético-políticos.

Sigamos na busca por alternativas coletivas. Encontrar nossos estudantes
é a melhor maneira de desconstruir o que de fora parece ser um jogo de
posições constituídas, binárias e organizadas. Atualmente, nem
estudantes nem professores seriam capazes de produzir, de cada lado, um
documento capaz de sintetizar uma tomada de posição homogênea sobre a
situação. Infelizmente, nossos espaços de representação estão todos
corroídos (da EFLCH ao Congresso Nacional). Por isso, parece-me oportuno
a possibilidade do encontro físico para produzir um terreno minimamente
comum de entendimentos sobre o qual possamos reconstruir nossas
instituições. Não será pela força, nem por mecanismos de autoridade
externa que seremos capazes de ativar nossas frágeis instituições, muito
menos de fazer universidade.

Por fim, uma hipótese otimista diante dos problemas nacionais e locais
que enfrentamos. Talvez, possamos apostar numa capacidade de invenção e
confiança na busca por novas formas de organização e de construção
institucional. Quem sabe, no meio de todo esse caos, no qual a EFLCH
parece ser uma antena de antecipação das reconfigurações da política,
possamos gestar outras formas de fazer política. Sempre achei que os
conflitos de 2012 eram prototípicos dos problemas que estavam por vir no
cenário nacional. E eles aconteceram. De repente, agora, na borda em que
estamos, ao invés de antecipar o desmoramento (que já aconteceu Brasil
afora), possamos inspirar outras alternativas.

Há braços,

Henrique Parra

A Airbnb, empresa internacional de intermediação de imóveis na web, com um portfolio de milhões de clientes e imóveis, acaba de mudar sua política de credenciamento. Achei muito interessante que ela propôs a obrigatoriedade de uma política de não discriminação (nacionalidade, gênero, religião, orientação sexual etc). Ou seja, se você quiser continuar oferecendo seu imóvel pela rede Airbnb, e fazendo business, terá que aceitar a política de “compromisso da comunidade”. Aqui, não se trata de apontar os problemas relativos a evasão de impostos, modelos de concorrência, capitalismo cognitivo, etc. Parece-me um caso relevante pra pensarmos nas relações entre ação econômica e mudança sociocultural: https://www.airbnb.com.br/help/topic/533/nondiscrimination

Estranho momento. Mistura de estado de exceção, normalidade societal e democracia operacional. Planeta feito de vários mundos e muitas temporalidades. Fico tentando juntar as peças pra sentir onde nossa energia pode criar maior potência. Difícil conciliar as batalhas quando num dia debatemos o avanço da governamentalidade algorítmica e da guerra cibernética; e noutro dia precisamos explicar a falácia do projeto Escola sem Partido. Tudo ao mesmo tempo agora.

Hoje foi a última aula do curso que ministrei na Unifesp, disciplina do estágio supervisionado, formação de professores de sociologia para a educação básica.

O semestre começou com significativo atraso por conta do retorno do campus para o Bairro do Pimentas (Guarulhos), no prédio recém finalizado. As disciplinas do estágio são muito afetadas quando o calendário universitário não está no cronograma normal, pois perdemos a sincronia com o ritmo das aulas nas escolas da educação básica, onde os estudantes fazem os estágios. Mas enfim, tanto nas escolas como na universidade já é raro termos um semestre normal.

Este desencontro entre o calendário de aulas na universidade e nas escolas criou algumas dificuldades para a execução da disciplina. Mas hoje, tendo concluído o semestre, posso dizer que terminamos melhor do que começamos. No início das aulas havia um certo clima de desmobilização e preocupação com o rumo do curso, mas ao poucos, a turma foi ganhando densidade, soluções foram inventadas e no final do semestre os trabalhos realizados e apresentados pelos estudantes surpreenderam positivamente. Mesmo que muitas coisas sejam imprevisíveis em nossos cursos, na minha experiência nesta disciplina há um padrão que até agora se repete: os trabalhos finais realizados sempre superam as expectativas e dificuldades do percurso.

Num contexto de crise política que estamos vivendo, diante das muitas tentativas de destruição da universidade pública e gratuita, face as ameaças mentirosas da “escola sem partido”, é muito gratificante ver uma nova geração de estudantes na universidade, muitos deles oriundos da escola pública sim, criando projetos educativos com temas ousados e materiais criativos para serem trabalhados com os jovens das escolas. Diante das forças autoritárias e reacionárias que agora dão as cartas, minha sensação é que elas são uma reação desesperada diante de uma revolução molecular que está acontecendo na juventude, pulsando formas de vida que por hora escapam ao radar da macropolítica. Oxalá, essa potência do novo cresça; não há lei capaz de conter essas vidas que brotam. Obrigado aos alunos pela companhia em mais este semestre.

mobile_revolution__juana_medina

Hoje é um triste dia para nossa democracia.
Aproveito para avisar que deixarei de usar o Facebook para a comunicação interpessoal.
Considero esta plataforma parte do nosso problema. Precisamos fortalecer meios de comunicação mais livres, autônomos e não-comerciais.
Os efeitos do Facebook sobre a Internet são terríveis. Quero que a Internet seja uma cidade de direitos, não um condomínio vigiado. O Facebook, as Telecoms (ao tarifar cada vez mais nossos dados), as instituições policiais e do judicário (ao transformar a internet num espaço vigiado e militarizado), as corporações midiáticas (ao controlar e monetizar nossa comunicação), são todos parte do problema que temos diante de nós. É urgente a democratização dos meios de comunicação. Cada um de nós pode ser mais do que um espectador. O mesmo vale para nossa ação política.
Não é fácil sair da zona de conforto. Mas posso garantir que há vida lá fora. A construção de um novo sistema político, além das novas lutas organizativas, também é feita de uma micropolítica das escolhas individuais cotidianas. Aproveite o triste dia de hoje para fazer uma escolha feliz de liberdade em qualquer domínio de sua vida.

Fonte imagem: de Juana Medina – http://www.cartoonmovement.com/p/2825 – Arab World Fights for Freedom.

Liberdade-na-Internet

A internet está sob séria ameaça no Brasil. Não é exagero. De um lado, há novos projetos de lei propostos pela CPI dos Cibercrimes que visam ampliar o controle e cercear a liberdade de expressão e conhecimento dos internautas. Eles atualizam uma mentalidade securitária e policial, transformando todos os cidadãos em suspeitos potenciais. Ao mesmo tempo, há novos projetos de lei que visam estabelecer franquias (limites) para a quantidade de dados trafegados no uso da internet, transformando a internet numa grande central telefônica.

Ambos os projetos subvertem princípios fundadores do funcionamento da Internet tal qual a conhecemos. E isso só é bom para quem quer ganhar muito dinheiro com ela ou para quem quer controlar a liberdade de expressão e conhecimento. Para que a internet possa ser um ambiente mais próximo de um espaço público, com direito à livre circulação, expressão e acesso à informação, ela não pode funcionar como uma zona militarizada onde precisamos apresentar nosso CPF pra qualquer clic; nem muito menos operar como uma chamada telefônica onde precisamos contabilizar os minutos que permanecemos assistindo um video ou quantos textos leio na rede. Já imaginaram como será o uso que faremos da internet sob essas condições?

Faço ainda outro alerta. A possibilidade de tarifação da Internet com franquia de dados, visa preparar e acostumar o internauta para a próxima geração tecnológica de transmissão de dados por radiofrequência: do Wifi para o LTE[1]. Com esta combinação, a Internet estará morta e enterrada.

O momento exige a formação de um amplo movimento social (que não seja restrito às organizações civis especializadas nessa temática), para que possamos resistir e criar alternativas ao desmonte da Internet. Ao mesmo tempo: #internetlivre e #bandalargaparatodos, para democratizar o direito à comunicação e ao conhecimento, contra o estado de exceção e o vigilantismo; contra o controle corporativo de nossas comunicações.
Criemos #redesdaliberdade

———

[1] sobre as atuais disputas entre padrões tecnológicos no IEEE-802 veja a tese de doutorado de Diego Vicentin

fonte imagem: http://outraspalavras.net/outrasmidias/wp-content/uploads/2013/07/Liberdade-na-Internet.jpg

prosumer

 

 

 

 

 

 

fonte imagem:https://rahulnambiar.files.wordpress.com/2009/03/prosumer.jpg

Hoje, é importante mas não suficiente a luta pela superação do modelo de democracia representativa em vigor, das relações personalistas e espetaculares na política, do poder das corporações e do capital financeiro, das máquinas partidárias e midiáticas, para ir além do conflito dicotômico “não vai ter golpe” X “impeachment”. Ao mesmo tempo, é igualmente necessário superar as práticas de democracia participativa que, a despeito do convite à abertura e à inclusão cidadã, já definem de antemão os lugares e funções a serem desempenhadas.

Analogamente ao capitalismo contemporâneo, tal modelo de participação sabe muito bem conjugar os modos de sujeição social e de servidão maquínica. Na sujeição social somos sempre inscritos sob uma identidade, um “eu” a partir do qual um categoria política de pertencimento define a medida e a função que podemos estabelecer com os objetos (o limite de um direito, o valor do trabalho, o peso de nossos votos etc). Na servidão maquínica, de maneira complementar, participamos do processo como peças numa máquina em que a própria distinção sujeito-objeto, produtor-consumidor, já não faz mas sentido. Nesta segunda dimensão, nossas ações, nossos afetos, cognição, conhecimento, relações…são postas a trabalhar para a mesma máquina de produção de valor (seja de capital, seja de legitimação política), sem que sejamos propriamente “singulares”. É algo de nosso ser pré-individual e supra-individual que participa da servidão maquínica para, uma vez engajado e produtivo, ser novamente capturado (agora como indivíduo) pela sujeição social.

Talvez o mais difícil seja justamente superar esta nova forma de poder e condução da vida.

Produzir uma nova subjetivação política exige que sejamos capazes de reconhecer e reconfigurar este agenciamento maquínico. Se, desde o início, as ações foram inscritas na articulação dessa dupla dinâmica (sujeição social e servidão maquínica), muito dificilmente ela será capaz de transbordar. Os novos sujeitos políticos não surgem ali onde o espaço e as funções estão programadas. É por isso que nos ultimos tempos sempre fomos surpreendidos pela força política que brotava de onde ninguém esperava.

“Desejar significa agir longe do equilíbrio” (Lazaratto). Felizmente, não somos capazes de programar onde ele irá emergir. O melhor que se pode fazer (nesta parcial perspectiva de ação) é, talvez, multiplicar as situações onde ele seja mais possível, de forma que as potências liberadas da servidão maquínica não sejam recodificadas e reterritorializadas pela sujeição social e possam, noutra direção, ensejar individuações mais emancipatórias.

Estruturas verticais, vanguardas ou celebridades não vão convocar a multidão. No melhor das hipóteses, só as massas responderão. Claro, no contexto atual, as massas estão sendo convocadas para barrar o golpe político em curso, e isso parece ser uma parte importante do processo. Todavia, acreditar que o jogo possa se resumir a esta forma de conflito, pode significar a perda de uma oportunidade histórica de invenção democrática.

18072014_194724_Internet-Surveillence

Na próxima terça-feira (12/4) pode ser votado o relatório da CPI sobre Cibercrimes. Diversas organizações sociais e pesquisadores (do Brasil e do exterior), já manifestaram sua preocupação com as propostas presentes neste relatório e o impacto negativo que ele terá sobre a Internet e, consequentemente, diversos aspectos da nossa vida social offline.

Participei ontem de uma entrevista no programa Brasilianas com o jornalista Luis Nassif e outras pesquisadores do tema: Marília Maciel do CTS-FGV e Ana Claudia Silva Mielke do Intervozes. O programa deve ir ao ar na próxima segunda-feira (11/4).

Durante a semana, além da leitura do relatório da CPI-Cibercrime e dos diversos materiais compilados sobre o tema (selecionados abaixo), com especial destaque para o documento crítico elaborado pela Coding Rights e IBIDEM, tive também que reler um texto do M.Foucault (Em defesa da sociedade) e outro do G.Deleuze (Sociedade de Controle) em razão de um curso que estou participando.

Foi uma combinação de leituras explosiva. Meus amigos, não se iludam. A Internet tal qual a conhecemos na segunda metade dos anos 90 está profundamente corrompida. Se não tomarmos medidas coletivas para fortalecer a liberdade na rede, a privacidade e o direito à navegação anônima (da mesma forma como caminhamos com nossos pensamentos silenciosos pela rua), se não controlarmos a expansão infinita da coleta, tratamento e comercialização de nossos dados pessoais (por empresas e governos), a sociedade policial estará plenamente implantada entre nós. Pior, com todos os cidadãos convertidos em suspeitos permanentes, criminosos em potencial, e ao mesmo tempo policiais de nós mesmos e de todos à nossa volta.

Por fim, só restam 6 dias para contribuir para a vaquinha digital da Cryptorave, iniciativa fundamental para a disseminação da cultura, práticas e tecnologias que promovem a liberdade de expressão, a privacidade e o modelo de segurança informática que queremos. É agora: https://www.catarse.me/cryptorave2016

Seleção de links sobre a CPI-Cibercrimes (contribuições colhidas na lista Antivigilancia e Lavits)

Relatório final da CPICIBER

http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1447125&filename=Tramitacao-RCP+10/2015

Nota técnica realizada por Coding Rights e Ibidem, com mais várias organizações signatárias:
https://cpiciber.codingrights.org/sumario-executivo/
https://cpiciber.codingrights.org/CPICIBER_NotaParaParlamentares.pdf

Manifestação do Comitê Gestor da Internet no Brasil: http://www.cgi.br/esclarecimento/nota-de-esclarecimento-em-razao-do-relatorio-da-cpi-crimes-ciberneticos/

Abaixo-assinados:

http://internet-governance.fgv.br/abaixo-assinado-cpi-de-crimes-ciberneticos
https://www.change.org/p/congresso-nacional-congresso-nacional-diga-n%C3%A3o-%C3%A0-censura-da-internet-n%C3%B3s-defendemos-a-liberdade-na-internet

 

Reportagens:
http://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/2016/04/04/cpi-do-congresso-nacional-propoe-censurar-a-internet/
https://www.nexojornal.com.br/expresso/2016/04/01/Por-que-a-conclus%C3%A3o-da-CPI-dos-Crimes-Cibern%C3%A9ticos-levanta-o-temor-de-censura
https://antivigilancia.org/pt/2016/03/8-pls-sao-propostos-pelo-relatorio-final-da-cpi-de-crimes-ciberneticos/
http://www.brasilpost.com.br/2016/04/04/censura-cpi-crimes-ciberneticos_n_9610006.htmlhttp://apublica.org/2016/04/truco-cpi-ameaca-direitos-dos-internautas/http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/CIENCIA-E-TECNOLOGIA/506618-RELATOR-DA-CPI-DE-CRIMES-CIBERNETICOS-EXCLUI-PONTO-POLEMICO-DO-RELATORIO.html

Atualização:

08/04: http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/CIENCIA-E-TECNOLOGIA/506618-RELATOR-DA-CPI-DE-CRIMES-CIBERNETICOS-EXCLUI-PONTO-POLEMICO-DO-RELATORIO.html

O relatório novo, com as mudanças que já foram propostas e incorporadas pode ser publicado aqui:
http://www.camara.leg.br/sileg/Prop_listaComissao.asp?codComissao=537731

 

O movimento dos estudantes secundaristas em 2015 foi certamente a melhor criação política do ano. Há muito o que refletir e aprender sobre tudo o que aconteceu e continua vibrando.

A existência de centros acadêmicos nas escolas, para além de um importante direito conquistado, é um espaço relevante de aprendizado e exercício democrático. Por isso, chamou minha atenção o fato que alguns dias atrás o jornal O Estado de São Paulo publicou uma matéria intitulada “Governo de SP vai reformular grêmios de escolas estaduais” [1]. A matéria utiliza como referência um levantamento solicitado pelo MPE sobre a existência dos grêmios nas escolas da rede estadual de São Paulo. Em síntese, o estudo mostra que muitas escolas possuem um centro estudantil, porém ele é frequentemente pouco participativo ou efetivo na sua missão representativa da comunidade escolar.

Interessante que a matéria do jornal procura estabelecer uma relação entre as ocupações das escolas e a existência frágil desses gremios estudantis. O argumento segue a seguinte premissa: se houvessem gremios estudantis ativos e bem organizados as reivindicações dos estudantes poderiam ter sido canalizadas pelas vias institucionais, e assim os problemas seriam resolvidos pela administração escolar. Na ausência de espaços de representação institucional o movimento dos estudantes torna-se alvo fácil de grupos políticos extra-estudantis, ou então as reivindicações tornam-se mais conflituosas, levando a resultados inesperados como a ocupação das escolas. Nas palavras da gestora responsável pelos gremios na Secretaria Estadual de Educação: “Uma gestão participativa mais forte cria uma relação muito importante com a comunidade, alunos, professores e família. A escola fica mais calma”.

A reportagem funciona como ótimo recurso reflexivo sobre a natureza  ambígua desses grêmios estudantis.

Em primeiro lugar, como muitos dos nossos espaços de representação institucional, parte dos gremios escolares acabaram convertidos em aparelhos da gestão burocrática (quando dominados pela própria administração escolar) ou em espaços dominados por grupos políticos fortemente identidários (com bandeiras e programas prontos e desconectados da vida estudantil). Os estudantes sabem disso. Por isso, eles criaram novas agremiações que escapam à tutela dos diretores, da SEE, dos partidos e das associações estudantis tradicionais. Em suma, ao contrário do que a matéria parece sugerir, as ocupações das escolas nascem de coletivos e grêmios independentes que não sofrem de um deficit democrático. Nesses casos os estudantes estão, efetivamente, fazendo invenções democráticas exatamente onde a política estava morta porque convertida em ação gestionária.

Em segundo lugar, o que a reportagem parece esquecer é que o problema da reestruturação escolar, da forma como foi proposta, escapa à própria capacidade deliberativa de uma unidade escolar e suas instâncias internas de participação. Trata-se de uma política de Governo (G.Alckmin) muito mais ampla. Ou seja, mesmo que uma escola tivesse ótima qualidade de participação democrática, sua posição com relação à reestruturação enfrentaria a resistência das instâncias administrativas superiores. Os estudantes também sabem disso. Por isso sua luta não poderia se limitar às instâncias locais de representação.

[1] http://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,governo-de-sp-vai-reformular-gremios-de-escolas-estaduais,1814033